21/10/2019

Não amamos as pessoas, amamos o status que elas nos dão



  Qual o perfil da última pessoa que você se apaixonou? Supostamente ela te atraiu por alguma característica. Foi a beleza? A popularidade? O cargo que ela ocupa? Ou ela é extremamente discreta sem algo direto para te oferecer?

  Somos atraídos pelo status que as pessoas nos causam, é incrível namorar alguém bonito, alguém popular, alguém que outras pessoas queriam (imagina o que os outros vão pensar?) ou alguém que está se dando bem e que aparentemente terá uma carreira interessante, essas coisas atraem status.      Sabe, eu não estou insinuando que sejamos interesseiros, mas expondo o quanto nossos relacionamentos têm sido oportunistas.

  O que achamos ser amor tornou-se algo muito volátil, é mais uma troca de interesses, “O que você tem a me oferecer para me fazer ficar?” Escrevendo isso, um dos últimos interesses que pensei foi o financeiro, meu foco são os súteis que às vezes são despertados em nós de forma involuntária e quando nos damos conta eles são os responsáveis pela nossa paixão.
  Talvez você esteja discordando de tudo e pensando: “Não sou assim!” então você não escolheria alguém bonito em detrimento de alguém legal? Alguém popular em detrimento de alguém introvertido?         

04/10/2019

O que fica depois do sexo?



  O que fica depois do sexo? Depois que tomamos banho, vestimos as roupas e nos despedimos? A experiência, não de uma nova posição ou de um novo ponto de prazer, mas o aprendizado do contato com outra pessoa, ninguém sai igual depois que transa, se não sai feliz, sai com nojo e querendo nunca mais repetir. No primeiro caso é incrível porque houve uma química, que inclusive te faz ficar pensando por vários dias e até confundir com uma “paixãozinha” é que vai além do sexo, é como um prazer mais duradouro em que um pouco da pessoa “fica em você”.

  No segundo caso, não dá pra adivinhar quando será decepcionante, não temos culpa se a química não acontece ou se a outra pessoa foi uma porcaria com você, é aprendizado para que você possa apreciar o que é bom. Também não se culpe se acontecer de novo, é provável que aconteça, só não repita com a mesma pessoa ou, caso vocês começaram pelo sexo, não permita que ela vá além dele, você não precisa obrigar-se a isso. Quando não gostar, use o “sentimento de nojo” como ponto final, permitir repetições só diminui tua autoestima e reforça que esse é o nível que você merece, e você sabe que merece mais.

  Relações são interessantes quando são mútuas, onde o prazer é sentido pelas duas partes, em qualquer relação, seja sexual ou não.

03/09/2019

Por que a beleza importa se beijamos de olhos fechados?


  Qual seria o seu “padrão de beleza” se você não enxergasse? Ou como você separaria as pessoas entre bonitas e feias?
Eu queria que a visão fosse um dos sentidos menos importantes nos relacionamentos, mas o peso que atribuímos a ele talvez seja maior que o de todos os outros, sempre é a aparência que vem primeiro.

  Quando fechamos os olhos durante o beijo, usamos outros sentidos, parece ser mais fácil deixarmos os outros transparecerem quando não estamos vendo... Quando apagamos as luzes durante o sexo, e as “falhas” do corpo se tornam invisíveis e o que importa é sentir o calor do outro, ouvir os gemidos e os pedidos de “continua”. São nesses momentos que a visão já não é tão importante porque existem fatores capazes de proporcionarem prazeres que estão além dela, como a textura da pele, o tom da voz, o modo de gemer, o cheiro, a textura dos lábios, o “sabor do beijo”, a pegada, entre tantos outros.

Mas por que preferimos a beleza em detrimento de todos esses? Talvez porque gostamos de exibir troféus, ou porque somos otários e preferimos uma pessoa bonita que fode mal, e não consegue estimular e dar prazer por outros sentidos, enquanto isso, alguém que não se encaixa tão bem em o que chamamos de “bonita” poderia estar nos ensinado como se sente prazer.     

21/08/2019

Uma carta do amor para você



  A primeira coisa que vocês culpam quando sofrem em um relacionamento é o amor, “Ah, o amor não existe, a partir de agora serei frio...” Mas por que não culpam a vocês mesmos que se jogam sem nem mesmo saberem o que sentem ou o que o a outra pessoa sente? Vocês pulam de cabeça em poços sem fazerem ideia da existência de água e atacam o amor quando “racham a cabeça” e voltam machucados. 
  
  Por que não culpam o sentimento de nunca se sentirem suficientes para alguém? Eu não consigo entender porque vocês acreditam que não merecem os outros e que as pessoas que vocês gostam são inalcançáveis. Essa inferioridade me impressiona.  Ou ainda, por que me confundem? Vocês acham que uma olhada com um sorrisinho é amor, que depois do primeiro beijo é amor e que alguém dizendo “eu te amo” durante o sexo é amor. Eu estou nas coisas simples, é verdade, mas vocês precisam saber quando sou eu. 

  Eu não escolho ninguém para sofrer, eu só quero ajudar, quero que as pessoas sejam felizes ocupando um lugar que só eu consigo preencher, quero que vocês me usem diariamente, que eu esteja na vida de cada um e que me usem nos outros, mas antes de tudo, em vocês. 
Quando o amor não for suficiente nenhum outro sentimento será.  


03/05/2019

Nenhum amor vai resolver teus problemas emocionais



  O problema é que atribuímos muitos dos nossos problemas à falta de alguém. Como se em um passe de mágica, amar e ser amado por um pessoa fosse resolver nossas dúvidas, insegurança e falta de amor próprio. Mas não vai.

  Embora alguns deles estejam relacionados com nossa vida amorosa, a grande maioria é sobre nós, sobre aceitação, autoestima, sobre como nos enxergamos ou sobre como somos felizes sem outras pessoas...

  Eu sei que tudo isso de amor próprio é muito clichê, mas quase sempre esquecemos e nos pegamos transferindo nossa felicidade aos outros e na realidade ninguém tem essa responsabilidade, a obrigação é somente nossa.

  E o pior é que se esperarmos o amor com esse pensamento, só nos decepcionaremos, daí fica fácil achar que ninguém nos ama e que nunca encontraremos o amor, por isso, resolva-se com “você mesmo”, antes de tudo.        


Design by:Bia Rodrigues. Modificado por: Bruno Vieira | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©